APICCAPSAPICCAPSAPICCAPS
Facebook Portuguese Shoes APICCAPSYoutube Portuguese ShoesAPICCAPS

Um raio X internacional

Um raio X internacional

3 Mar, 2021


Uma pandemia sem precedentes. Decisões tomadas dia-a-dia. Ainda que a incerteza pareça ter sido uma constante no passado, o futuro começa a ganhar forma. Como está a indústria do calçado a reagir a nível mundial? Conheça em detalhe a situação de alguns países, um trabalho desenvolvido pelo World Footwear.

ESPANHA
Começamos aqui ao lado. Em Espanha, as medidas de confinamento foram lançadas região a região, mas de forma generalizada o retalho não essencial está atualmente fechado.
Em termos produtivos o país viu a produção de calçado cair 30% em 2020 e as exportações a caírem 18% em valor. Apesar disso, a indústria de calçado não parou e continua a produzir.

FRANÇA
De acordo com a Federação Francesa de Calçado, o principal problema do setor prende-se, neste momento, com a quebra no consumo. Ao contrário da maioria dos países europeus, França não impôs um confinamento geral, mas o horário de confinamento começa pelas 18h00, o que implica que todo o retalho esteja encerrado a essa hora. “As sapatarias respeitam as medidas sanitárias (como todas as lojas) e devem fechar às 18h em todo o país”, afirma a Federação Francesa do Calçado.

ITÁLIA
Itália foi um dos países europeus mais afetados pela pandemia. Na indústria do calçado o principal problema são as PME em dificuldades, maioritariamente provocadas pela falta de adaptação aos novos desafios, nomeadamente no que diz respeito à digitalização.
O retalho foi também fortemente afetado, com as lojas fechadas e muitas restrições à mobilidade dos cidadãos. Nos primeiros nove meses de 2020, 101 empresas encerraram, foram eliminados 2 600 postos de trabalho e os negócios diminuíram 33%. O presidente da Assocalzaturifici expressa "uma forte preocupação pelos próximos meses. A resiliência do setor está em risco”, e a situação é particularmente grave para as PMEs, espinha dorsal da indústria. Para Siro Badon "os primeiros sinais de recuperação correm o risco de ser imediatamente adiados por uma nova vaga da pandemia".  Apesar disso, a indústria continua a trabalhar.

ALEMANHA
Ainda na Europa, o retalho na Alemanha atravessa por esta altura dias complicados. As medidas de confinamento continuam muito apertadas e as vendas estão a cair, uma vez que o retalho não essencial está encerrado desde dezembro de 2020
Para Manfred Junkert, Diretor Executivo da HDS / L (Associação Federal da Indústria Alemã de Calçado e Artigos em Couro), na Alemanha as empresas de calçado continuam “a funcionar”, embora muitas estejam com “trabalho a curto prazo”.

Estados Unidos
Nos Estados Unidos o cenário não é bom. As vendas no retalho estão estagnadas, com o país a registar a maior contração no consumo de calçado em 60 anos.
O consumidor continua a fazer compras muito cautelosamente e, para as empresas, há um aumento dos custos de shipping e tarifas elevadas a considerar.

CANADÁ
No Canadá o cenário do retalho é muito preocupante. O principal problema do setor está na restruturação e nas falências no retalho..
De acordo com Denis Falardeau, Presidente da SMAC (Shoe Manufacturers’ Association of Canada) “quando o retalho reabriu, houve muitos custos para garantir que as lojas estivessem seguras e limpas. O negócio teve que absorver os custos ”, sublinhou Denis. “Agora, muitos desses retalhistas não vão conseguir sobreviver a outra vaga e a outro bloqueio, principalmente porque os arrendamentos respondem por uma grande parte dos custos. Em novembro passado havia uma previsão de que até o final de janeiro mil lojas estariam fechadas, permanentemente”.
No entanto, a indústria continua em funcionamento

VIETNAME
Também no Vietname o cenário é de relativa normalidade. Em termos de exportações o ano de 2020 registou uma queda 10% nas exportações de calçado. No entanto, de acordo com a LEFASO (Associação de Couro, Calçado e Bolsas do Vietnanem), a pandemia está bem controlada no Vietname. “O país sofreu um impacto no ano passado, uma vez que as exportações caíram 10%, mas a  indústria está a ser favoreceria devido à deslocalização da produção na China. Prevemos uma recuperação e aumento da exportação de calçado em 2021”.

CHINA
A China Leather Industry Association confirmou que “toda a indústria está a funcionar, embora o negócio geral esteja muito pior do que no ano anterior”. O principal problema para as empresas de calçados e artigos de couro é a “falta de pedidos”, o que se reflete em uma queda nas exportações, uma vez que “as exportações de calçados caíram 22,4% e 21,1% em volume e valor, respectivamente. A receita de vendas das empresas acima da receita anual de vendas de 20 milhões de renminbi caiu 13,4% nos primeiros 11 meses ”. Uma “grande perda”, segundo o CLIA.

HONG KONG
A situação no território “está sob controlo”. Segundo William Wong, vice-presidente da Hong Kong Footwear Association, “Hong Kong está a sentir os impactos (naturais) da pandemia, principalmente no retalho, que é fortemente dependente da atividade turística.
MALÁSIA
Piores notícias na Malásia. O retalho e a indústria estão fechados devido à segunda vaga da pandemia que está a afetar o pais.

Partilhar:

The latest ones