APICCAPSAPICCAPSAPICCAPS
Facebook Portuguese Shoes APICCAPSYoutube Portuguese ShoesAPICCAPS

Formação profissional com apoios muito significativos

Formação profissional com apoios muito significativos

19 Feb, 2021

Novo aviso no Compete 2020


Acaba de ser publicado, pelo programa Compete 2020 o aviso AAC 04/SI/2021, referentes a apoios em matéria de “Formação Profissional para Trabalhadores por Conta de Outrem”.

O setor do calçado foi um dos setores selecionados para esta nova tipologia de apoio – recordamos o teor da circular 24/2021- e é entendimento da APICCAPS que este instrumento poderá assumir-se como uma forma de reforçar as competências dos trabalhadores e, em paralelo. mitigar alguns dos custos para a empresa dos processos de layoff ou do mecanismo da retoma progressiva.
O objetivo deste apoio extraordinário à formação profissional passa por “dar continuidade à concessão de apoio público orientado para a prioridade de investimento 8.5, no contexto da política de clusterização, estabelecendo-se como iniciativa piloto na medida em que se centra na atividade do cluster de competitividade Calçado e Moda”.
No aviso, o Compete 2020, alerta para a necessidade de Intensificar a formação dos empresários e gestores para a reorganização e melhoria das capacidades de gestão, assim como dos trabalhadores das empresas, apoiada em temáticas associadas à inovação e mudança através de:
> Aumento das qualificações específicas dos trabalhadores em domínios relevantes para a estratégia de inovação, internacionalização e modernização das empresas; •
> Aumento das capacidades da gestão empresarial e e-skills para suportar estratégias de inovação e novos modelos de negócios das empresas; •
> Promoção de estratégias de upskilling e de reskilling com vista à adaptação e especialização dos recursos humanos das empresas e da sua capacidade de retenção de competências e talentos;
> Promoção de ações de dinamização e sensibilização para a mudança e intercâmbio de boas práticas (mobilidade e troca de experiências).

Ao nivel das condições gerais de acesso, contribuírem para os objetivos e prioridades do AAC;
> Encontrarem-se fundamentados num plano formativo identificando as necessidades da formação e especificando os objetivos, atividades e resultados a alcançar e a sua ligação à estratégia e investimento em domínios relevantes para a competitividade das empresas no âmbito do cluster e apresentando uma metodologia de avaliação adequada ao processo formativo;
> Serem, preferencialmente, estruturados em módulos de 25 horas, nomeadamente do Catálogo Nacional de Qualificações, nos termos da Portaria n.º 781/2009, de 23 de julho, integrando formações correspondentes a um mínimo de 3 módulos/ano. Podem ser consideradas outras formas de organização da formação, nomeadamente com conteúdos não integrados no Catálogo Nacional de Qualificações, desde que devidamente fundamentadas e aceites pela Autoridade de Gestão e em módulos de formação com duração nunca inferior a 8h (nos termos previstos no n.º 3 do artigo 17.º da Portaria n.º 60-A/2015, na sua atual redação);
> A formação pode decorrer em horário laboral ou em horário pós-laboral;
> Os grupos formativos devem ser limitados a 25 trabalhadores por ação (turma). Em casos excecionais e devidamente justificados, poderão assistir às ações de formação um número superior de formandos, os quais não serão contabilizados para o apuramento dos custos elegíveis;
> Disporem de parecer favorável emitido pelo cluster dinamizador*, face ao alinhamento do projeto com a estratégia de eficiência coletiva do cluster e com as áreas prioritárias do pacto setorial. Este parecer deve ser apresentado em sede de candidatura;
> A formação não pode ter início antes da data de apresentação da candidatura;
> Terem uma duração máxima de 12 meses, exceto em casos devidamente justificados e aprovado pela Autoridade de Gestão, sendo a duração determinada pela data da primeira ação de formação até à conclusão da última ação do projeto;
> Em casos devidamente justificados, o prazo referido na alínea anterior pode ser prorrogado até ao máximo de 12 meses, com a data limite de 30/06/2023, relativamente ao calendário de realização aprovado.
Ao nível do apoio às empresas, a taxa de financiamento deve ter em conta a aplicação das taxas de auxílios de Estado previstas no n.º 4 do artigo 31.º do Regulamento (UE) n.°651/2014 da Comissão, de 16 de junho, na sua atual redação, concretamente:
Taxa base de incentivo de 50%, acrescida das majorações a seguir indicadas, não podendo a taxa global ultrapassar 70%: ?
> Majoração em 10 p.p. se a formação for dada a trabalhadores com deficiência ou desfavorecidos; ?
> Majoração em 10 p.p. se o incentivo for concedido a médias empresas e em 20 p.p. se for concedido a micro e pequenas empresas.
No âmbito dos projetos conjuntos de formação, aplicar-se-á a taxa de 70% aos montantes apresentados relativos às PME não identificadas em candidatura, sendo a respetiva taxa de apoio recalculada em sede de encerramento em função das características das PME intervencionadas e dos respetivos formandos que venham a integrar o projeto conjunto.

As empresas Associadas da APICCAPS serão contactavas nas próximas horas, sendo que o Centro Tecnológico do Calçado de Portugal tem já uma equipa técnica a ultimar a candidatura do setor, para que as empresas passam rapidamente implementar estas ações.


Partilhar:

The latest ones