APICCAPSAPICCAPSAPICCAPS
Facebook Portuguese Shoes APICCAPSYoutube Portuguese ShoesAPICCAPS

Empresários exigem mais do Governo

Empresários exigem mais do Governo

28 Apr, 2020

Mais de 80% dos empresários portugueses considera que as medidas tomadas pelo Governo em resposta às necessidades das empresas não são suficientes. Este é um dos resultados revelados no barómetro de auscultação às maiores empresas nacionais, entre 8 e 1 3 de abril de 2020, feita pelo Kaizen Institute, divulgado pela Confederação Empresarial de Portugal (CIP).

Do total de medidas de apoio disponibilizadas pelo Estado a que as empresas recorreram ou planeiam recorrer , o Lay-off simplificado é a principal medida, considerada por 50% das empresas. Já 43% recorreu a? flexibilizac?a?o do pagamento de impostos e 24% beneficiaram de Incentivo financeiro extraordina?rio para apoio a? normalizac?a?o da atividade da empresa. No plano inverso, 26% das empresas na?o recorreram, nem planeiam recorrer, a programas de apoio.
 
Linhas de crédito
Ao nível das linhas de cre?dito para suportar a tesouraria, 52% das empresas admire na?o recorrer a esse instrumento. Já 29% recorrerá num valor que se sitiará entre o 1 e os 10 milho?es, enquanto que 9% recorrerá a linhas de crédito ate? a valor máximo de um milha?o de euros.
 
Empresas reivindicam
novos instrumentos
As empresas inquiridas fazem várias propostas ao Governo. Sugere, desde logo, a isenc?a?o de comisso?es nas linhas de cre?dito disponibilizadas pelo Estado (40% das respostas). Apoio financeiro direto a?s fami?lias e isenc?a?o de contribuic?o?es sociais a empregadores que optem por pagar acima dos valores previstos pela lei em caso de lay-off, ambas com 39%, são outras das sugestões mais relevantes. Ainda no que se refere ao lay-off, 25% das empresas reivindicou o pagamento pelo Estado da totalidade do encargo com sala?rios
 
Regresso à normalidade
Mais difícil é prever o período em que as empresas necessitarão para recuperar o mesmo ni?vel de atividade pre? Covid- 19. Do total dos inquiridos, 30% a referem que serão precisos mais de 12 meses. Um mesmo número sugere que meio ano será, no mínimo, fundamental. Já 22% das empresas indicaram entre 3 e 6 meses. Os restantes 18% dos inquiridos acreditam poder regressar à velocidade cruzeiro num período de 3 meses.

The latest ones