APICCAPSAPICCAPSAPICCAPS
Facebook Portuguese Shoes APICCAPSYoutube Portuguese ShoesAPICCAPS

Indústria europeia de calçado em suspenso

Indústria europeia de calçado em suspenso

26 Jan, 2021

Depois de uma quebra profunda no comércio de calçado em 2020, na ordem dos 27%, de acordo com o World Footwear, não se pode dizer que o calçado europeu inicie o ano em grande estilo. Pelo contrário, o início de 2021 revela-se mesmo...um tormento.
Com efeito, a pandemia parece não querer abrandar e colocou  todos os agentes económicos em alerta, com a necessidade de reverem estratégias e planos de investimento.
A Europa parece estar, literalmente, à beira de um ataque de nervos. A começar pela Alemanha.
Manfred Junkert, da Associação Alemã de Calçado (HDSL), recorda que o “lockdown continua em vigor”. As empresas de calçado continuam “a operar”, ainda que “as perspetivas de trabalho sejam relativamente escassas”. O retalho permanece, confinado, até 15 de fevereiro, acentuando os problemas de tesouraria para muitas empresas. Acresce que a “temporada Outono /Inverno 20/21 ficou aquém das expectativas, por força do bloqueio”. E as expectativas para a próxima continuam em aberto. “Precisamos de apoios”, reclama Manfred Junkert.
Por França, a situação é igualmente preocupante. Dorval Dorval Ligonniere, da Federação Francesa de Calçado, recorda que “a indústria de calçado suspendeu a sua atividade por um curto período durante a primeira contenção. Após a implantação das medidas sanitárias, as empresas retomaram suas atividades e hoje dependem apenas da evolução da carteira de encomendas”.
 Atualmente, o retalho de calçado, sendo considerado uma atividade “não essencial” pelo governo de Jean Castex,  “tem de respeitar todas medidas sanitárias e devem fechar às 18h em todo o território francês”. Novo confinamento poderá ser decretado nos próximos dias.
 “O nosso principal problema é a queda da procura”, sublinha Dorval Dorval Ligonniere, na medida em que “a pandemia causou uma queda bastante significativa no consumo em todos os segmentos”. Uma realidade com várias consequências, desde a acumulação de stocks até à dificuldade para as próximas estações. “Estamos apreensivos”, concluiu.
 
Espanha
 Foi, durante semanas consecutivas, um dos epicentros da pandemia na Europa. Em Espanha, os tempos continuam de incerteza e preocupação.
 No setor de calçado, a Federação Espanhola (FICE) estima uma queda de 30% na produção em 2020. O impacto da pandemia foi, igualmente, fortíssimo ao nível do comércio externo: nos primeiros 9 meses de 2020 as exportações caíram 16,6% em quantidade e 17,9% em valor.
 Espanha enfrenta, por estes dias, a terceira vaga da pandemia COVID-19 e o país vive em estado de alerta até o dia 9 de maio. A indústria, a distribuição e mesmo as escolas permanecem em funcionando, ao contrário do que aconteceu em março-maio do ano passado. Ainda assim, está em vigor um toque de recolher nacional com horários diferentes de acordo com as regiões. Em algumas províncias o retalho está mesmo encerrado.
 A FICE, Federação Espanhola da Indústria de Calçado, estima que “30% do retalho esteja em causa” no futuro. “Infelizmente, há muito pouco apoio do governo ao setor retalho”, apontou. Os problemas não se limitam, naturalmente, ao setor do comércio, pois embora a indústria do calçado continue a funcionar normalmente, a sua atividade enfrenta uma “falta de encomendas inédita, impulsionada pela crise internacional e doméstica, com milhares de postos de venda encerrado em toda a Europa”. A única boa notícia parece estar relacionada com o comércio o online. “Ainda não compensa a quebra co comércio tradicional”, aponta a FICE.
Por Itália (ver caixa), a situação atual é igualmente preocupante. Nos nove primeiros meses de 2020, encerraram 101 empresas, 2.600 postos de trabalho foram suprimidos e os negócios recuaram 33%. O presidente da Assocalzaturifici expressa “uma forte preocupação para os próximos meses”. “A resiliência do setor está em risco”, aponta Siro Badon. “Os dados – continuou - mostram um setor severamente afetado pela emergência sanitária”. Acresce que “os primeiros sinais de retoma correm o risco de ser imediatamente adiados por uma nova vaga pandêmica”.
CAIXA
Exportações de calçado italianas caem 20%
Nos primeiros nove meses do ano a indústria italiana de calçado viu as exportações de calçado caírem 20,1% em quantidade e 17,2% em valor. De janeiro a setembro foram vendidos 127,1 milhões de pares de calçado, menos 32 milhões do que no mesmo período de 2019, num valor total de 6,4 mil milhões de euros.
Mas as quedas no setor não ficam por aqui. A produção caiu 29,4% e as vendas 33%.
"Os números referentes aos primeiros 9 meses do ano revelam um setor que foi profundamente afetado pela pandemia provocada pela COVID-19. Assistimos a uma redução de cerca de 20% no volume do consumo doméstico e as vendas internacionais caíram 20,1%”. Além disso, continua  o presidente da Assocalzaturifici Siro Badon “nota para uma grande redução na produção industrial (-29,4%) e uma redução média de 33,1% nas vendas das nossas empresas associadas. Em todo o setor há a registar quebras na ordem dos dois dígitos, nos principais mercados de exportação e uma queda de -18,1% na balança comercial”.
De acordo com os dados do Centro de Investigação Confindustria Moda divulgados pela Assocalzaturifici, a indústria de calçado italiana registou também uma quebra de dois dígitos no volume de negócios das empresas inquiridas no período em análise (-26,6%). Apenas 14% dos entrevistados declararam ter excedido, ou pelo menos igualado, a faturação no terceiro trimestre de 2019, enquanto mais da metade do painel relatou uma queda de -20 a -50%.

As exportações dentro da UE (cerca de 65% da quantidade total) caíram 16,5% em termos de volume e 14,5% em valor nos primeiros 9 meses de 2020. A queda nas exportações para a França ultrapassou os 20%, em quantidade e valor.  A foi menos acentuada no caso da Alemanha (-14% menos pares, que entretanto seguiu uma queda de -8,4% em 2019), Holanda (-12%, representando -2,6% em valor) e Bélgica (- 13,4%).
Os destinos fora da UE caíram 19,3% em valor, com a América do Norte e registar uma quebra de 30%. No Extremo Oriente, a redução foi significativa em todos os principais mercados (China -20%, Hong Kong -35% e Japão -25% em volume ), sendo a única exceção a Coreia do Sul (aumento de 16% em valor, apesar de uma queda de -6,8% no número de pares vendidos), que ficou em sétimo lugar em termos de valor entre os destinos das exportações de calçado italianos. A China apresentou um certo dinamismo no terceiro trimestre (+ 16,8% em valor).

Para o presidente da associação italiana de calçado, os primeiros sinais de retorno à 'normalidade', tanto no mercado internacional como mercados internos fizeram-se sentir em setembro, mas foram rapidamente aniquilados pela segunda vaga da pandemia. Aliás, em setembro de 2020, as exportações e os gastos das famílias italianas atingiram os mesmos valores do que em 2019.
“A segunda vaga trouxe uma redução no numero de empresas ativas (-101 nos primeiros 9 meses) e uma redução de 2.600 empregos em 2020. Se nesta equação forem considerados os fabricantes de componentes, o saldo é ainda mais negativo: -231 empresas e -3453 empregados”, diz Siro Bado em comunicado.

Consumo interno
Em detalhe, o consumo no mercado interno nos primeiros 9 meses do ano revelou uma queda de 23% nas despesas das famílias italianas. Destaque para a compra de calçado para uso doméstico durante os meses de bloqueio, que são de menor valor (além do menor número de cerimônias e ocasiões para calçar sapatos novos)
De acordo com o Fashion Consumer Panel for Assocalzaturifici, os segmentos de mercado mais afetados foram: o calçados “clássico” para homem e senhora (com queda de cerca de -30%), enquanto a queda nas vendas de calçado infantil e calçado desportivos estava entre -15 e -20%.



Partilhar:

The latest ones