APICCAPSAPICCAPSAPICCAPS
Facebook Portuguese Shoes APICCAPSYoutube Portuguese ShoesAPICCAPS

Não podemos voltar a uma paralisação

Não podemos voltar a uma paralisação

8 Sep, 2020

António Costa acredita que o país não pode voltar a paralusar


Na próxima quinta-feira, o Governo vai anunciar as medidas a tomar a 15 de setembro, dia em que o continente passará para a situação de contingência. No entanto, António Costa quer evitar a todo o custo um novo fecho do país. “Não podemos voltar a parar todos, a voltar a uma paralisação global da economia, pelo impacto brutal que teve no desemprego, no rendimento das famílias e das empresas”.
O primeiro-ministro não adiantou, ainda, que medidas serão aprovadas pelo Conselho de Ministros de quinta-feira, mas deixou claro não querer repetir o confinamento realizado no início da pandemia. "cada um de nós está mais consciente agora do que estava no início, em março". Sem especificar, disse apenas que as medidas serão as "necessárias e suficientes", ou seja, não serão mais gravosas do que o estritamente necessário para conter a pandemia.
Preocupações com o SNS
Com a entrada do outono, o regresso de milhares de portugueses ao trabalho presencial e o início das aulas têm aumentado o número de contágios. António Costa acredita que é essencial preservar a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde. No pico da pandemia, a taxa de ocupação das camas de cuidados continuados foi de 63%.
" Estamos a aproximar-nos do outono e inverno e que estão a terminar as férias, com o regresso ao trabalho e do ano letivo. Há um aumento do número de pessoas em atividade e por isso o risco de contágio também é maior. Há um aumento significativo de casos nos últimos dias".
António Costa acredita, ainda, que este "é um bom momento para relembrar que até haver vacina a pandemia não passou" e que é necessário "ter todos os cuidados e cumprir as regras". "A melhor forma de defender o SNS é protegermo-nos uns aos outros, cumprindo as regras de saúde. É essencial mantermos a capacidade de resposta do SNS. Temos vindo a reforçar essa capacidade de resposta, mas tem sempre um limite. Cada um de nós tem de se proteger e assim proteger aos outros".

The latest ones